O que é Zambê? Dança típica do RN

O Coco de Zambê foi uma tradição inserida no universo dos engenhos de cana de açúcar e localidades pesqueiras, trazidos através de africanos escravizados e criando um sincretismo com culturas brasileiras. A maioria dos engenhos de açúcar existentes no Rio Grande do Norte ficam na região onde atualmente ficam os municípios de Tibau do Sul e Baía Formosa.

Estudiosos como Câmara Cascudo e Mário de Andrade estudaram esta dança no século XX.

Se trata uma dança de canto improvisado ou previamente ensaiado, ritmados por instrumentos denominados “zambê” e “chamá”, tambores de pau furado cobertos com couro de animais.

Para esta dança acontecer, forma-se uma roda onde os tocadores ocupam uma posição central, e nela somente homens podem participar, entoando cantos enquanto os brincantes se revezam na entrada da roda, executando passos que lembram capoeira, afoxé e frevo, numa agilidade de movimentos e performances frenéticas. Um de cada vez, se dirige ao “chefe” fazendo reverência ao tambor, que possui um papel fundamental, e logo em seguida dirigem a outro dançarino com cumprimento de umbigada, convidando-o a entrar a roda.

Foto: Candinha Bezerra
Foto: Candinha Bezerra

Ocorre geralmente no mês de São João, mas também serve como comemoração a grandes colheitas e pescas, sendo uma forma de diversão após longas jornadas de trabalho.

O zambê aparece de forma intensa nas narrativas relacionadas ao passado e ao presente de Sibaúma, comunidade quilombola localizada no litoral sul do estado, próximo da Barra de Cunhaú, tornando-se um elemento indicativo de pertencimento étnico, ligado a ancestralidade negra local. O grupo é reconhecido como remanescente de quilombo , e passa pelo processo de regularização territorial.

O coco de zambê é apresentado como uma espécie de atestado de ancestralidade do grupo; além disso, depois de um longo período de abandono, a dança passa a ser revitalizada e instrumentalizada por uma parte do grupo paralelamente às reivindicações pelo reconhecimento quilombola.

Confira o vídeo a seguir:

Os brinquedos mais temíveis dos parques itinerantes

Na beira da BR-101, próximo da entrada do conjunto Cidade Satélite existe um circo junto com um parque itinerante. Uma coisa rara, pois os dois só aparecem na cidade no período de férias. Quando era adolescente adorava ir nesses parques, principalmente era um momento de encontrar os amigos antes das aulas começar e ter oportunidade de andar naquele brinquedo que só tinha em Recife.

Mas, quais são os brinquedos que eram temidos pelos adolescentes pelos natalenses? O Brechando fez uma lista baseado nos argumentos das pessoas que visitam estes parques itinerantes. A lista pode ser conferida a seguir:

Ranger

A ideia de ficar uma boa parte de cabeça para baixo não me animava para ir ao Ranger ou Kamikaze. Como funciona o brinquedo? Primeiro tenho que explicar o que é de fato um kamikaze, que o nome dado aos pilotos de aviões japoneses carregados de explosivos cuja missão era realizar ataques suicidas contra navios dos Aliados nos momentos finais da campanha do Pacífico na Segunda Guerra Mundial.

Mas, como funciona o brinquedo? É um pêndulo enquanto desenvolve velocidade para uma volta de 360°, seria no caso uma barca (brinquedo do tipo pêndulo) que da volta completa. Geralmente a atração possui outro veículo que faz a trajetória reversa ao primeiro de maneira simultânea. s operadores da máquina tentam como ponto atrativo da atração manter os dois veículos de cabeça para baixo por maior tempo possível.

Montanha-Russa

Montanha-russa é uma atração popular dos parques de diversões modernos. Consiste basicamente em uma estrutura de aço que forme uma pista composta por elevações seguidas de quedas e por vezes inversões (sendo delas a mais conhecida o loopings, inversões de 360° impulsionadas pela velocidade proveniente de uma descida ou lançamento impulsionado.

Os brinquedos dos parques itinerantes sempre são questionados pela qualidade, mas as pessoas ainda vão para a montanha-russa, mesmo temendo de serem jogados para fora.

https://www.youtube.com/watch?v=xIwf1zYvnbg

Discovery

Alguns cantos o brinquedo é conhecido por Evolution e é uma versão “evoluída” (olha o trocadilho!) do Ranger. A diferença entre o brinquedo e o Ranger é que ao invés de ser uma barca, o Discovery é um disco que gira em 360 graus pendurado sobre um pêndulo que roda em 360 graus. É para realmente ficar tonto.

Trem-Fantasma

Trem fantasma se refere a um fantasma na forma de uma locomotiva ou trem. Então, os parques criaram um brinquedo em que as pessoas entram numa locomotiva onde várias criaturas “estranhas” aparecem para assustar os visitantes. Alguns brinquedos são toscos e outras pessoas realmente tem medo do brinquedo.