Um sábado no Big Peter: vendo luta de MMA

Churrasco, farofa boa, cerveja gelada, demora para pegar comida, garçons irritados e várias conversas filosóficas. Este é um típico final de semana dentro do Big Peter. É um apelido carinhoso que dei para o local, no qual se souber um pouco de inglês vai saber qual espetinho estou falando e tem o público bastante heterogêneo. Em um período que as intolerâncias estão comendo solta, onde vermelho e azul não se misturam, o Peter recebe todos em um mesmo local.

É bastante visitado por estudantes universitários devido às inúmeras instituições de ensino por perto, gente que gosta de assistir futebol ou luta (por conta dos canais pay-per-view) ou gente que quer fazer um esquenta antes de ir para alguma festa badalada na cidade. Além disso, o local é conhecido por um ponto de fuga daqueles que querem sair de casa, mas estão com pouca grana.

Apesar dos espetinhos terem um preço salgado, pois custam mais que um real, você não conseguirá gastar em outros cantos da zona Sul de Natal menos que 25 reais se não for lá no Big Peter. O que Peter tem de especial?  Se você passar um dia dentro daquele estabelecimento comercial consegue contar diversas histórias dele e é um ótimo local para fazer umas brechadas. Um dia farei um livro com todas as histórias que catei de lá.

Dessa vez vou contar o dia que assisti uma luta de UFC.

Continue lendo “Um sábado no Big Peter: vendo luta de MMA”

Brinquedos que fizeram parte da infância

Todo mundo fala que a sua infância foi a melhor que os outros. Entretanto, as crianças conseguiram se divertir em diferentes períodos. Quando era criança, eu tive vários brinquedos considerados peculiares e acredito que muitos natalenses também estiveram. Confira a lista de nove brinquedos que tive na infância:

1) Melocoton

personagens-en-pelucias-afins-21995-MLB20220995902_012015-Y

Meloconton era um boneco que passava no programa da Eliana quando ainda era no SBT. Todo mundo gostava dele, pois era engraçado e uma mistura de animal com extraterrestre. Um dia, o programa teve a ideia de fazer um boneco. Era só apertar a boneca e ele fazia um barulho bizarro para fizer que estava com cócegas. Veja o vídeo a seguir:

https://www.youtube.com/watch?v=TsyB8Ki7YkA

Sim, eu ainda tenho o meu.

2) Bolas de Tiririca

Alguns chamam de bola de bate-bate, mas eu conheci como bolas de Tiririca mesmo. Eram duas bolas pesadas presas nas extremidades de uma corda. No meio havia algo para segurar e sua única função era balançar a corda para que estas bolas se chocassem uma com a outra.

3) Tamagushi ou Tamagotchi

bichinho

“Mãe, cuida bem no meu bichinho, porque ele pode morrer”. Coitada da minha mãe que teve que cuidar do meu tamagushi quando iria para escola. Ganhei de presente do meu pai e virou febre nos anos 90, você tinha que cuidar de um bichinho, alimentá-lo, dormir e cuidado para que ele não morresse, pois para ressuscitá-lo tinha que apertar o botão de reset era bem complicado.

4) Qualquer fábrica da Eliana

fabrica-de-chocolate-da-eliana-glasslite-antiga-122-MLB4655794460_072013-F

Eliana no final da década de 90 e início de 2000 lançou um monte de brinquedo de fábricas. Com eles podia fazer tricô, sorvete, chocolate, tatuagem, raspadinha, roupa e dentre outras coisas. Por mim, eu teria tido todos eles, porém fiquei apenas com a fábrica de chocolate.

5) Bambolê do Tchan

bambotchan-o-bambol-do-e-o-tchan-glasslite-antigo-157201-MLB20298946849_052015-F

Infernizei a vida dos meus pais com o objetivo de ter o bambolê do Tchan, que surgiu bem na época da música do “É o Tchan!” que falava deste brinquedo. Pena que ficou no armário, pois até hoje sou péssima para rebolar e quase não consigo manter um na cintura por muito tempo.

6) Tazo

tazo1

Os tazos eram uma mania. Toda vida que comprava salgadinhos ou batatinhas ficava catando para pegar os tazos na coleção. Uma felicidade era encontrar aqueles tazos que eram raros.

7) Mini-game

super-mini-game-eletrnico-portatil-118-jogos-brickgame-18792-MLB20160220184_092014-F

Jogar Tetris ou Corrida de Carrinho. Na época não existia um tablet, o que fazer para distrair as crianças que eram bastante inquietas? Fornecendo um mini-game, algumas dessas máquinas tinha mais de 50 jogos diferentes e facilmente encontrava em um camelô mais próximo de sua casa.

8) Pescaria

Pescaria era algo complicado, você tinha que tentar pescar estes peixinhos com uma vara de pescar que tinha um imã. Ao mesmo tempo, o “aquário” que estes peixes estavam ficavam girando bem rápido. Era quase um desafio do Passa ou Repassa.

9) Kinder Ovo

596357-como-fazer-kinder-ovo-passo-a-passo-03

Melhor chocolate do mundo e dentro havia os melhores brinquedos, desde carrinhos, miniatura, bonecos ou aquele quebra-cabeça chato que ninguém gostava de ganhar.

Vamos ter a primeira lua cheia em dia de Natal desde 1977

O Natal é conhecido por ser um período de confraternização entre familiares, troca de presentes, amigo secreto, solidariedade, comer comidas gostosas e comemorar com pessoas que tem apreço. Além disso, as comemorações natalinas vão ter uma comemoração mais legal. Este será o primeiro Natal que veremos uma lua cheia desde o ano de 1977.

De acordo com a Agência Espacial Norte-Americana (Nasa), o fenômeno se chama Lua Cheia Fria, porque ela acontece principalmente durante o período de inverno no hemisfério Norte.

O fenômeno somente voltará a ocorrer apenas daqui a 19 anos, em 2034. De acordo com a Nasa, o pico da Lua Cheia no dia de Natal será às 18h11 no horário de Nova York, 21h11 pelo horário de Brasília. No caso de Natal, que não está no horário de verão, esta lua irá acontecer por volta das 20 horas.

Esta não é a primeira vez que a lua nos surpreende. No dia 27 de setembro foi marcada por um bonito fenômeno da natureza: o eclipse da Superlua, no qual a última vez que aconteceu foi em 1982. O nome deste fenômeno é Superlua, porque o satélite natural fica bastante próximo da terra e só acontece quando está na fase cheia.  De acordo com a Agência Espacial Norte-Americana (Nasa), as Superluas acontecem em média uma vez por ano. Este ano já tivemos duas, mas esta foi a mais próxima do planeta.

Quer dizer, houve ao mesmo tempo o fenômeno da lua gigante e o eclipse lunar (conhecido como lua sangrenta). A próxima vez que os dois acontecem ao mesmo tempo é só daqui a 18 anos. A Superlua apareceu no Rio Grande do Norte por volta das 17h30. Já o raro evento começou em torno das 22 horas e terminou na madrugada de 28 de setembro.

O Brechando registrou a partir de fotografias o acontecimento deste fenômeno, que poderá ser conferido neste link.