30 30America/Bahia outubro 30America/Bahia 2015 – Brechando

Estudante potiguar acerta 174 questões do Enem

O resultado do gabarito do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) saiu nesta quarta-feira (28) e o Rio Grande do Norte está com orgulho de um dos filhos da terra, visto que o potiguar acertou 96% da prova. Quer dizer, das 180 questões existentes no processo seletivo,  acertou 174 e ainda está no primeiro ano. O nome dele é Luciélio Cavalcante, tem 18 anos e mora em São Miguel, distante de Natal por uma distância de 433 quilômetros.

A prova aconteceu no último final de semana e é composto por uma prova objetiva mais a redação. A notícia de seu desempenho chamou atenção dos noticiários vindos de Mossoró e da capital potiguar.

Lucélio, que é devoto de Nossa Senhora, mora com a mãe e vive numa casa bastante humilde. Além disso, ele sofre de paraplegia (uma lesão medular), porém isto não lhe desanima para conseguir conquistar os seus objetivos. “Como agora não estou estudando para nenhum processo seletivo mais, a rotina de estudo está mais confortável agora”, disse o jovem em entrevista para o Brechando via Facebook.

Cavalcanti chega no colégio às 6h30 e os seus estudos terminam às 11h30, depois vai almoçar e descansar um pouco. Então, começa a rotina de estudos do jovem,  no qual ele pratica bastante as atividades para casa e os exercícios dos livros que estuda.

Ele estuda na Escola Estadual Gilney de Souza e seu excelente desempenho rapidamente foi comentado entre os professores e colegas de escola. “A reação do colégio ficou bastante surpresa com o resultado e disse que acredita bastante no meu desempenho. Alguns, inicialmente, não acreditaram que eu tinha feito realmente 174 questões, mas depois acreditaram”, contou.

Apesar das dificuldades, Luciélio aposta nos estudos como forma de superar todas as barreiras que lhe foram impostas ao longo da vida. O seu sonho é prestar o curso de psicologia e comentou que sempre teve interesse na área médica.

“Me considero uma pessoa bastante comunicativa, adoro conversar com as outras pessoas e gostaria de trabalhar na área da Saúde”, comentou.

Sua vida rende um filme, pois seu pai morreu quando tinha três dias de nascido. Devido às dificuldades de locomoção, ele precisa de ajuda de terceiros para andar. Quando morava na zona Rural, por exemplo, precisava da ajuda da mãe para carregá-lo até a escola.

Antes de prestar uma faculdade, ele sonha em escrever uma autobiografia como uma forma de inspirar outras pessoas que passam pelas mesmas dificuldades. “Espero que eu tenho a oportunidade de escrever minha autobiografia para poder contar um pouco mais do que aconteceu, além do que já foi publicado nos jornais”, finalizou.

Onde revelar filmes em Natal?

As primeiras postagens do Brechando falava sobre a lomografia, movimento que surgiu nos anos 90 com a intenção de continuar a prática das câmeras feitas de filmes, que estava perdendo seu espaço por conta do aparecimento das primeiras câmeras digitais, além de divulgar a prática de fotografar com equipamentos mais rústicos e baratos.

Uma das primeiras dificuldades de quando comecei a praticar não foi encontrar máquinas analógicas, que conseguia facilmente pela internet ou sebos, mas onde em Natal ainda tinha uma laboratório de fotografia. Através de amigos, comecei a descobrir alguns laboratórios até encontrar um do meu agrado.

Inicialmente, eu não comprei uma câmera vendida pela Lomography, porém adotei uma das máquinas analógicas que minha mãe guarda em casa. Meu gosto por fotografia veio dela, que desde pequena me ensinou a bater fotos, apesar de sempre acabando de queimar os filmes por conta que não tinha paciência para rebobinar. A Pentax era toda automática e muito moderna nos anos 90. Esta foi minha primeira câmera analógica.

Então, eu sabia que os remanescentes não revelavam filme de 120 mm, apenas o 35 mm, que é o mais comum de se ver. Aquele de 36 poses…

Filmes revelados, uhuul (Foto: Lara Paiva/Arquivo)
Filmes revelados, uhuul (Foto: Lara Paiva/Arquivo)

E um belo dia andando no Hiper de Ponta Negra, eu achei uma loja especializada em fotografia que venida filmes e revelava câmera de filmes. O nome dela é Fotografe Mais e também tem uma unidade no Shopping Cidade Jardim. Revelei algumas vezes lá.

Depois,  novas máquinas fui adquirindo e o preço para revelá-las começou a pesar bastante. Era a hora de procurar um outro laboratório.

Depois, eu descobri a Artelab, que fica no Alecrim, na Rua dos Caicós (por trás da Vila Militar), e o cliente podia escolher revelar apenas o filme, imprimir as fotos ampliadas ou salvar em um CD as fotografias. O preço era bem mais em conta na loja da zona Sul, que valia a pena encarar a Feira do Alecrim aos sábados para poder mandar.

A loja também vendia uma Kodak de Iso 200 com um preço mais em conta e revelava filmes preto e branco, por isso a demanda atrás de revelação analógica era grande.

Com o sucesso da loja,  o estabelecimento vizinho, Foto do Estudante, comprou e voltou a revelar filmes, no qual fazia mais de dois anos que tinha desistido de trabalhar com a fotografia analógica. Uma vantagem que eles mantiveram o preço da Artlab e a qualidade.

Está sem tempo de ir ao Alecrim? Você pode entregar os filmes em qualquer unidade da Foto do Estudante (Cidade Alta, na Avenida Rio Branco, ou Candelária, próximo do Natal Shopping), que eles mandam para o laboratório onde revela as analógicas e depois de dois dias pode pegar. Sim, eles aceitam cartão.

Portanto, você pode escolher ou a Fotografe Mais ou a Foto do Estudante, que revela filmes. Viva a fotografia analógica!

O que era antes da catedral Metropolitana?

A Catedral Metropolitana de Natal foi construída pela Arquidiocese de Natal e também é dedicada à Nossa Senhora da Apresentação, padroeira da cidade. A igreja demorou anos para ser construída, porém foi inaugurada no dia 21 de novembro de 1988. Fica entre o centro e os bairros de Petrópolis e Cidade Alta. A arquitetura, ao contrário da antiga catedral, que é barroco, é modernista e foi projetada por Dom Antônio Costa e Marconi Grevi.

A antiga ainda permanece e fica no Centro Histórico e já falamos dela no Brechando. Devido ao crescimento da população, e consequentemente de fieis, a Arquidiocese então resolveu construir uma nova igreja matriz.

Então, eles resolveram implantar uma nova igreja na então Praça Pio X, próxima ao Cinema Rio Grande, que era esta aqui:

Foto da praça na década de 50
Foto da praça na década de 50

Antigamente, o local onde era a praça era um matagal. Então, o padre João Maria encontrou este terreno, no qual os fiéis caminhavam por ele. Foi ele que começou a ideia de construir um novo templo neste terreno, porém ele faleceu em 1905.

Depois, a Prefeitura tomou o terreno e construiu no local a Praça Pio X. De qualquer jeito, a praça era pertencente à Catedral. Por isso teve o nome de Pio X. O local não tinha árvores, mas um restaurante, onde os jovens natalenses a frequentavam bastante. Além disso, havia os vendedores de pipocas, amendoins e sorvetes que ficavam lá para conseguir atrair os clientes do cinema.

Depois de levantadas algumas paredes, a Arquidiocese chegou à conclusão de que seria um prédio de elevado custo, pela imitação de templos europeus, dando preferência a uma planta mais moderna e mais econômica.

Com a transferência de Dom Eugênio para Salvador e com a nomeação de Dom Antônio Soares Costa para Bispo Auxiliar de Natal, este passa a coordenar a Comissão responsável pela construção da nova Catedral. A construção foi iniciada em 21 de junho de 1973. Foram 18 anos de intensas campanhas, a fim de conseguir recursos para construir o novo templo, cuja inauguração aconteceu em 21 de novembro de 1988, pelo então Arcebispo, Dom Alair Vilar Fernandes de Melo.

No subsolo do prédio, encontra-se o Centro Pastoral Pio X, onde funciona o Gabinete do Arcebispo, a Cúria Metropolitana, a Paróquia da Catedral, além da coordenação de diversas pastorais. A ocasião de sua terceira visita ao Brasil, a catedral recebeu o Papa João Paulo II em 13 de outubro de 1991